Workshop “Cuidados ao Doente Crítico”

 

Com o objetivo de atender a Portaria do Ministério da Saúde (MS) e do Gabinete do Ministro (GM) nº 895, de 31 de março de 2017, que institui o cuidado progressivo ao paciente crítico ou grave com os critérios de elegibilidade para admissão e alta, de classificação e de habilitação de leitos de Terapia Intensiva Adulto, Pediátrico, Unidade Coronariana, Queimados e Cuidados Intermediários Adulto e Pediátrico no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital e Maternidade Oase de Timbó, realizou o 1º Workshop “Cuidados ao Doente Crítico”.

 

Segundo informações do médico responsável técnico da UTI do Oase, Ian Robert Rehfeldt o evento foi realizado pelo Vidas Instituto de Assistência à Saúde e o Hospital e Maternidade Oase, no dia 2 de setembro, das 7h30min às 17h30min, no Auditório do Vidas, em Timbó. O workshop contou com a participação de um grupo seleto de profissionais, desde médicos que atuam no Hospital Oase de Timbó, nas unidades do Vidas e nos hospitais de Blumenau, além de estudantes de medicina.

Na data foram ministradas, oito palestras atividades, por profissionais médicos que atuam nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de Timbó e Blumenau. A primeira palestra foi com o médico Intensivista do Hospital e Maternidade Oase e do Hospital Santa Isabel e cardiologista da Centrocor e do Hospital Santa Isabel, Joelson Freitas Leite.

Ele falou sobre “Suporte Avançado de Vida em Cardiologia” que teve como foco: como proceder na parada cardiovascular; recomendações da American Heart Association; compressões torácicas versus ventilação; qual droga usar?; chocar ou não e qual melhor momento para intubação.

 

Na sequência o médico com formação em cirurgia geral pelo Hospital Santa Isabel e cirurgião Cardiovascular pelo InCor – USP, Eduardo Mota abordou o tema “Monitoração Hemodinâmica”. O tema teve como foco: avaliação hemodinâmica microvascular e avaliação hemodinâmica macrovascular.

A terceira atividade foi coordenada pela médica Intensivista do Hospital Oase, Karine Gerent, que falou sobre “Uso de Drogas Vasoativas” que teve como foco: aplicação prática do choque.

Após a médica especialista em Clínica Médica e Residente em Medicina Intensiva no Hospital Santa Isabel, de Blumenau, Rafaela Benevides Rodrigues Schmitt, abordou o tema “Intubação e Via Área Difícil”. O tema trabalhou os seguintes tópicos: definição e avaliação da via área difícil; posicionamento do paciente; sedação, analgesia e bloqueio neuro-muscular; intubação traqueal e dispositivos alternativos; via aérea cirúrgica.

A quinta atividade foi a palestra da médica com especialização em Residência Médica no Hospital Santa Isabel e Intensivista, Alice Chiodelli que falou sobre “Ventilação Mecânica”. O foco da palestra foi: indicação de suporte ventilatório; ventilação mecânica invasiva; princípios e modos convencionais; ventilação não invasiva; regulagem inicial do respirador; ventilação mecânica na SDRA e modos de recrutamento alveolar.

Na sequência a médica Intensivista, Karine Gerent falou sobre “Analgo – Sedação no paciente crítico e delirium”. Este tema teve como foco: escalas de dor; principais fármacos utilizados; estratégias práticas de analgo-sedação.

Já a sétima palestra foi ministrada pelo médico Intensivista do Hospital Santa Isabel, professor do curso de Medicina da Furb e mestre em Ciências Médicas pela UFSC, Alexandre Lacerda que falou sobre “Terminalidade – Abordagem Hospitalar”. O tema teve como foco: histórico da medicina paliativa, definições, aspectos éticos e legais; processo de tomada de decisão.

Para encerrar o Workshop, o médico coordenador da UTI Adulto do Hospital Santo Antônio e médico Intensivista da UTI Adulto do Hospital Santo Antônio e do Hospital Santa Isabel com residência em medicina intensiva pela Santa Casa, de Porto Alegre, Eduardo Dias Oliveira abordou o tema “Sepse: Choque Séptico”, que teve como foco os principais conceitos e atualizações.

O doutor Ian Robert Rehfeldt explica que o Workshop supriu a necessidade da certificação e serviu ainda como treinamento para todos os médicos que trabalham na UTI. “Todas as palestras foram ministrada com tópicos selecionados e que realmente se tornam necessários no nosso dia a dia, e foi de uma qualidade muito boa, os palestrantes apresentaram uma revisão é atualização dos assuntos escolhidos”, ressalta o profissional ao destacar que em conversa com alguns dos participantes do evento, percebeu que todos estavam satisfeitos com o resultado.

 

 

O responsável pela UTI adianta que a direção do Vidas e do Hospital Oase tem por objetivo a realização de outros eventos deste porte. “O treinamento médico e de toda a equipe de assistência médica sempre se faz necessário, então a idéia e que possa-se criar novos workshop envolvendo a equipe multidisciplinar, além de outros treinamentos nas áreas médicas especificas”.

Rehfeldt afirma que o workshop foi feito exclusivamente em razão do Hospital Oase contar desde o 1º de junho com o serviço de UTI que realiza assistência aos doentes adultos, maiores de 18 anos, em todas as doenças clínicas e cirúrgicas. “Tem duas situações que a UTI do Oase não presta assistência: que são à pacientes com necessidade de tratamento neurocirúrgico, por exemplo os traumatismos crânio-encefalicos e os AVCs hemorrágicos, oportunidade em que os pacientes são encaminhados a referência em Blumenau e em situações chamadas de insuficiência coronariana aguda, ou infarto agudo do miocárdio, sendo que esses pacientes também são encaminhados para Blumenau pois tem a necessidade do serviço de hemodinâmica para se fazer a sequência de investigação e tratamento. A UTI do Hospital Oase atende à todos os pacientes que dão entrada no Pronto Atendimento do Oase ou que estão internados no Hospital”, explica o médico ao frisar que: “nossa expectativa e continuar aprimorando e oferecendo um serviço de excelência a comunidade que acreditou e investiu neste projeto da UTI do Hospital Oase em Timbó”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *